Previdentes com a previdência!!!🤞

Previdência aprovada e o Brasil crescendo, certo? Errado. O caminho é longo e trabalhoso, mas temos que enfrentar.

Acompanhe também nas redes sociais:

A reforma da previdência será aprovada sem mais sustos, para alívio de alguns e apreensão de muitos. Mas, de toda forma, a reforma não vai alterar muita coisa em nossas vidas nos próximos cinco anos e, de certa forma, ela já nasce caduca. Permitam-me explicar.

Inicialmente é consenso entre os economistas mais sérios e comprometidos que o problema do crescimento brasileiro é falta de investimento. O controle das contas públicas é importante, mas é assunto mais importante para o mercado financeiro. É o mercado financeiro que financia a dívida pública. Por isso seus maiores agentes – os bancos, as seguradoras, os fundos de investimento, os fundos de pensões públicos e privados – precisam de alguma previsão que o Estado brasileiro terá condição para pagar seus compromissos, particularmente os juros da dívida. Por isso a ansiedade dos governos em “agradar” os agentes do mercado financeiro, ou simplesmente, o mercado.

A dívida pública pode ser financiada também por arrecadação. Mas em períodos de crise, como o que estamos vivendo, a arrecadação tende a cair. Então, o governo não pode contar apenas com essa fonte de recursos, tem que emitir mais dívida.

Fique por dentro das tendências do mercado com mais rapidez no conforto da sua caixa de entrada:

A arrecadação cai porque os agentes econômicos estão com menos propensão ao gasto. As empresas não estão vendendo, nem investindo e tem um grande espaço para produzir mais sem ter que construir novas fábricas ou comprar novas máquinas. As famílias estão endividadas, sem emprego e estão comprando no limite do necessário.

O capitalismo é de gasto.

O problema é que o capitalismo é um sistema que premia o gasto. Quando há gasto, há crescimento. Pense nisso, sua receita sempre será o gasto de alguém.

Diante desse quadro, não é a reforma da previdência que irá mudar o Brasil até o final do ano. Aliás, já é consenso também que a economia em 2019 não irá crescer mais que 05% – 0,8%.

Outro ponto é que essa reforma já nasce caduca. Explico. O atual sistema de aposentadoria é o chamado de “sistema de repartição simples”, ou seja, quem está trabalhando hoje no mercado formal, portanto, com carteira assinada, está contribuindo para o pagamento da aposentadoria de alguém.

Esse é um pacto social firmado entre gerações. O problema está exatamente aí. O sistema funciona bem quando a estrutura do emprego é primordialmente com carteira assinada. Mas com a reforma trabalhista de 2018 e a mudança tecnológica pela qual a economia está passando, a estrutura do emprego já não é primordialmente com carteira assinada. Mas, está migrando para ocupações por conta própria. As novas gerações estão trabalhando cada vez menos com carteira assinada. Hoje, por exemplo, já temos a figura do estagiário sênior.

Pois é, um quadro que exige reflexões, para dizer o mínimo.

O trabalho do futuro.

O trabalho por conta própria é uma tendência mundial, muitos casos são profissionais liberais bem-sucedidos, mas o grande contingente de trabalhadores vive na Gig economy. A economia dos bicos, o trabalho de meio período, o free lancer. Muitas vezes trabalham menos de 40 horas semanais e recebem salário/hora menor que média daquele setor de atividades. No caso brasileiro, o número de jovens entre 18 – 30 anos desempregados supera o número de profissionais mais experientes.

Ou seja, a população jovem que está entrando (ou não) no mercado de trabalho, não contribui direta e continuamente para o sistema de repartição, o que no futuro próximo pode fazer com que o “rombo” da previdência continue.

Como resolver isso?

Com bons empregos e boas atividades econômicas. Atividades que não sejam serviços simples e com pouco valor agregado, como cabelereiros, eletricistas, guias de turismo, atendentes de hotel, comerciários, motoristas de Uber, ou todas as atividades que exija o trabalho diário maior que 8h, 5 dias por semana, para se receber ao menos 4 salários mínimos de referência.

Bons empregos requerem mais indústrias, mais serviços técnicos especializados, mais tecnologia da informação, mais matemática, mais estatística, mais tudo o que atualmente não temos disponível no Brasil. E o que nos deixa mais triste é que pelo andar da carruagem não teremos isso nem tão cedo.

Insisto, sem políticas públicas ativas e sem estratégias de nação não iremos muito longe. Iremos sempre patinar e ter que nos contentar com ganhos incrementais e buscar soluções para problemas do passado, como é o caso da reforma da previdência.

 

Como este conteúdo foi útil para você?

Clique em uma estrela para avaliá-lo

Avaliação média 5 / 5. Contagem de votos 2

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!